Encontro promove coalizão para combater violência social através de mudanças no sistema prisional

O quarto encontro da Jornada pela Mudança de Paradigma sobre Pena, Prisão e Reinserção de Detentos, facilitada pelo Instituto Humanitas360, consolidou o projeto de formar uma coalizão para combater a violência nas ruas através de mudanças na política carcerária e no sistema de justiça criminal. O evento reuniu, no início de agosto, 30 integrantes de organizações sociais, pesquisadores e profissionais da área.

Para definir sua estratégia de ação, os participantes montaram uma grande matriz com todos os projetos e iniciativas que já vêm desenvolvendo. Cada projeto foi posicionado segundo seu público alvo (como detentos, profissionais de Justiça, etc.)  e o tipo de ação desenvolvida (comunicação, advocacy ou prestação de serviços diretos à comunidade). Isso permitiu identificar sinergias entre projetos já existentes, mas também deixou claro que há muitos públicos e áreas carentes de ações para mudar a mentalidade da sociedade brasileira sobre a questão.

Houve uma roda de conversa sobre a estratégia de comunicação integrada, além de debates sobre campanhas de informação dirigidas a públicos específicos. Depois, aconteceu uma discussão sobre alvos de ações para mudanças na legislação que vem favorecendo o encarceramento em massa no Brasil.

Nos últimos quinze anos, o número de pessoas presas cresceu quase 300% no País segundo o Ministério da Justiça, com a terceira maior a população carcerária do planeta. Em contrapartida, o país passou a ter um dos mais altos índices internacionais de homicídios e crimes violentos. Ao contrário do que diz o senso comum, que aposta na reclusão para coibir a violência nas ruas, os dados revelam que o encarceramento em massa favorece o crescimento das facções criminosas.

Por isso, os participantes concordam que diminuir os índices de encarceramento e promover a reinserção dos ex-detentos na sociedade são medidas fundamentais na diminuição da violência. “Precisamos desconstruir essa máquina de guerra com a qual vivemos há mais de 30 anos”, como observa o jornalista Bruno Paes Manso, pesquisador do Núcleo de Estudos da Violência da USP e co-autor do livro “A Guerra – A Ascensão do PCC e o Mundo do Crime no Brasil”, recém-lançado pela editora Todavia.  

Adriano de Camargo, da Prefeitura de São Paulo, e Bruno Paes Manso, da Universidade de São Paulo

Para Carmen Botelho, diretora do Centro de Recuperação Feminino de Ananindeua, na região metropolitana de Belém, “se não houver programas de reeducação aos detentos, a sua condenação será eterna, e isso vai repercutir na qualidade de vida de toda a sociedade.”

Até o próximo encontro, marcado para outubro, os participantes têm o desafio de definir a carta de princípios da coalizão, além de se organizar em diferentes frentes de trabalho. O dia terminou com os participantes dando sua visão sobre a importância de criar essa coalizão:

Adriano de Camargo (Prefeitura Municipal de São Paulo)

Ana Paula Pellegrino (Instituto Igarapé)

Bianca Rosetti (Instituto Flores)

Bruna Elege (Instituto Flores)

Bruno Paes Manso (Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo)

Carmen Botelho (Centro de Reeducação Feminina de Ananindeua, Belém do Pará)

Carolina Manferre (Gerando Falcões)

Ciça Castro (CRF São José dos Campos)

Daiane Roberta (Penitenciária Feminina 2 de Tremembé, São Paulo)

Denis Russo Burgierman (Jornalista)

Emerson Ferreira (Reflexões da Liberdade)

Estael Ramos (Penitenciária Feminina 2 de Tremembé, São Paulo)

Fernanda Danelon (Instituto Humanitas360)

Heloisa Bonfanti  (Instituto Humanitas360)

Karine Vieira (Responsa)

Laura Villares (Instituto Flores)

Marina Dias (Instituto de Defesa do Direito de Defesa)

Ricardo Anderáos  (Instituto Humanitas360)

Para saber mais sobre os encontros anteriores dessa jornada, acesse os links abaixo:

Ainda não há comentários

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>