Jornada de inovação social quer reverter crescimento da violência e corrupção na América Latina

Jornada de inovação social quer reverter crescimento da violência e corrupção na América Latina

Escândalos de corrupção e ondas de violência levam muita gente a pensar que cadeia é o melhor remédio para os problemas comuns a vários países da América Latina. Mas os workshops que o Instituto Humanitas360 vem realizando com profissionais e estudiosos de segurança pública indicam o contrário: quanto mais pessoas são presas, mais aumentam a violência nas ruas e a corrupção nas instituições.

Isso acontece porque cada novo detento se transforma em membro compulsório das facções criminosas. Os presos e suas famílias passam a ser obrigados a contribuir financeiramente com essas organizações. E quanto mais qualificados os detentos, melhor para as facções, que através deles passam a influir em várias instituições e esferas da vida pública. Como reverter esse quadro? 
Os encontros desta jornada reúnem juízes, ex-detentos, lideranças políticas, funcionários de penitenciárias, jornalistas, pesquisadores e representantes de organizações sociais especializadas no tema. Seu ponto central não é discutir direitos humanos, mas combater a escalada da corrupção e da violência.

Para isso, a despeito de suas diferenças ideológicas e teóricas, seus participantes concordam que é preciso mudar a visão da sociedade sobre as penas, sua execução e a recuperação social de criminosos e infratores. Utilizando várias ferramentas de “design thinking” e dinâmicas de grupo, os workshops pretendem construir colaborativamente uma estratégia de ação unificada para mudar os paradigmas sobre pena, prisão e recuperação de ex-detentos.

Um ponto importante dessa construção é que a estratégia unificada deve contemplar também os projetos, ações ou pesquisas já desenvolvidos por cada um de seus participantes. Isso também significa que todos devem superar diferenças políticas, ideológicas e teóricas em prol do objetivo maior, que é reverter o crescimento da violência e da corrupção.

Apesar de ter começado com encontros no Brasil, essa jornada pretende se estruturar para envolver outros países da América Latina. Indicador desse objetivo foi a presença da organização Espartanos, da Argentina, no primeiro workshop da série.

Ainda não há comentários

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>